“De Arepa en Budare”: Luisa and those who still resist in Venezuela

“Never, ever, even with the terrible situation we’re living in now, I would leave my country. I am Venezuelan, as we say here, ‘de arepa en budare’*”. It is one of the first sentences that Luisa tells me while we have a coffee at 6 in the morning, amidst the tranquillity of La Gran Sabana.Continue reading ““De Arepa en Budare”: Luisa and those who still resist in Venezuela”

“De Arepa en Budare”: Luísa e a força que ainda resiste na Venezuela

“Jamais, jamais, mesmo com a pior situação que estamos vivendo agora, eu abandono o meu país. Eu sou venezuelana, como dizemos aqui, ‘de arepa en budare’”. É uma das primeiras frases que me diz Luísa enquanto tomamos um café às 6 da manhã, em meio a tranquilidade da Gran Sabana. Talvez não haja expressão melhorContinue reading ““De Arepa en Budare”: Luísa e a força que ainda resiste na Venezuela”

Venezuela: A spark of hope in the middle of chaos

My time in Venezuela was short. I arrived one day and left the next. And I feel that I needed more to absorb the atmosphere of the country that, yes, is sinking into a crisis. But in contrast, have people who don’t hold their heads down.  I didn’t have the chance to stop for theContinue reading “Venezuela: A spark of hope in the middle of chaos”

Venezuela: Um fio de esperança em meio ao caos

Meu tempo na Venezuela foi curto. Cheguei num dia e fui no outro. E sinto que precisava de mais para absorver a atmosfera do país que, sim, está afundando em uma crise. Mas que, em contraposição, tem um povo que não se deixa abalar.  Não consegui parar muito para as longas conversas que gosto deContinue reading “Venezuela: Um fio de esperança em meio ao caos”

Suely: The sadness that won’t leave the Córrego do Feijão

“My facial expression has even changed, I don’t smile as I do here anymore,” says Suely while she shows me the cover of a 2014 tourism magazine she featured because of her restaurant at the “Córrego do Feijão”. Today, the Casa Velha restaurant is rented out to Vale and the wood-fired oven and the smellContinue reading “Suely: The sadness that won’t leave the Córrego do Feijão”

Suely: A tristeza que ficou em Córrego do Feijão

“A minha fisionomia até mudou, eu não sorrio mais como aqui”, me diz Suely ao me mostrar a capa de uma revista do SEBRAE de 2014 em que apareceu por conta de seu restaurante no Córrego do Feijão. Hoje, o restaurante Casa Velha está alugado para a Vale e o forno a lenha e oContinue reading “Suely: A tristeza que ficou em Córrego do Feijão”

Brumadinho: a dor do luto coletivo

Brumadinho é uma cidade triste. De ombros caídos e olhares cansados. O luto se sente nas ruas, em cada conversa casual com seus habitantes que não esquecem o dia em que a barragem se rompeu e tudo mudou. Se sente no pó marrom que cobre a cidade e na cor de lama do Rio Paraopeba,Continue reading “Brumadinho: a dor do luto coletivo”

Brumadinho: the anguish of collective grief

Brumadinho is a sad city. It is possible to feel the grief in the streets, in each casual conversation with its inhabitants who do not forget the day when Vale’s Bean Stream dam collapsed, changing everything. It is possible to feel it in the brown dust that covers the city and in the muddy colourContinue reading “Brumadinho: the anguish of collective grief”

Alba and the Venezuelan resistance in Brazil

“When I left [Venezuela], I said, ‘I will be the resistance in Brazil because I will have a voice and I will tell the world who we are”. One of the pioneers of the first Boa Vista Welcoming Centre, Ms. Alba Marina is certainly a force of resistance in Brazilian lands – and still offersContinue reading “Alba and the Venezuelan resistance in Brazil”

Alba e a resistência Venezuelana no Brasil

“Quando eu saí de lá [da Venezuela], eu falei ‘eu vou ser resistência no Brasil’. Porque eu vou ter uma voz e eu vou dizer pro mundo quem a gente é”. Idealizadora do primeiro Centro de Acolhida de Boa Vista, Alba Marina com certeza resiste em terras Brasileiras – e ainda oferece suporte aos seusContinue reading “Alba e a resistência Venezuelana no Brasil”