Viviana: um natal típico colombiano na Austrália

“Pra mim é muito importante estar com gente da Colombia. Porque eles entendem meus sentimentos, entendem o que é não ter a família por perto. Passar o Natal com pessoas de outros países não é a mesma coisa porque eles não entendem suas comidas, pratos típicos e o que eles significam. Então pra mim éContinue reading “Viviana: um natal típico colombiano na Austrália”

Maysa, Gustavo e Oliver: celebrando uma nova vida no Natal

“Acho que pela primeira vez em muito tempo o natal tá fazendo mais sentido pra mim Principalmente depois que eu perdi o meu pai, ficou aquela sensação de vazio e hoje, com o Oliver, a gente tem esse sentimento de que a familia tá completa aonde quer que a gente esteja,” diz Maysa enquanto seguraContinue reading “Maysa, Gustavo e Oliver: celebrando uma nova vida no Natal”

Yliamne: a esperança das mães venezuelanas por um natal em família

“Vi cada um dos meus filhos sair dos meus braços a cada par de anos e me dei conta, com o passar do tempo, que a ida deles em busca de prosperidade é para mim uma espécie de transição. Um processo de transmutar a desesperança em fé e esperança. Perdi o medo da distância. PertençoContinue reading “Yliamne: a esperança das mães venezuelanas por um natal em família”

Nina: um reencontro no Brasil depois de 10 Natais na Austrália

“Pra mim, Natal significa família. Sinceramente, eu não tenho o Natal como uma data super especial mas é um momento de reunir a família. Eu sou de uma cidade super do interior, então todos os meus irmãos saíram pra estudar e trabalhar e era realmente uma época de reencontro. Essa que era a minha lembrança.Continue reading “Nina: um reencontro no Brasil depois de 10 Natais na Austrália”

100 mil mortes por Covid: os corpos que pulamos no caminho e o nosso futuro que é passado

Cem Mil. 100.000. C E M M I L.  A notícia me chega as 2 da manhã no meio de uma insônia repentina. Me atravessa o peito que já previa a desgraça. E mesmo assim me dói como facada apunhalada pelas costas.  Quando foi que o horror tornou-se rotina? Será que foi naquele momento daContinue reading “100 mil mortes por Covid: os corpos que pulamos no caminho e o nosso futuro que é passado”

As ligações que parei de fazer para a minha mãe

Se antes eu comentei sobre as ligações que comecei a fazer para a minha avó desde o início da quarentena, hoje eu quero contar sobre as ligações que eu tenho deixado de fazer para a minha mãe – por causa das ligações que ela tem feito para os outros.  Calma, eu explico.  A minha mãeContinue reading “As ligações que parei de fazer para a minha mãe”

Daniella Reina: “Quando você decide migrar definitivamente, você tem que fechar todas as suas portas”

“Eu quero ir embora da Austrália. Eu acho que antes de tudo isso acontecer, eu via a Austrália como um país de oportunidades e via como ‘sim, eu posso ficar’. Meu namorado é americano e a gente sempre teve essa discussão se a gente ia ficar aqui ou ir pros Estados Unidos quando eu meContinue reading “Daniella Reina: “Quando você decide migrar definitivamente, você tem que fechar todas as suas portas””

Nico Betancur: De Medellín para Sydney

“Eu acho que nós, estudantes internacionais, estamos sempre fazendo alguma coisa e daí chega o coronavírus e diz ‘não, você não pode fazer nada’. E o governo não vai te ajudar e você tem que seguir pagando as contas e seguir continuando com a vida, e isso não é fácil,” comenta Nico Betancur, estudante colombianoContinue reading “Nico Betancur: De Medellín para Sydney”

Alicia Granci: “Sí, soy argentina”

“É louco que nesse momento nós estamos quase como prisioneiros, não somos prisioneiros mas não podemos sair da maneira como saíamos. É contraditório. Enquanto o que diz respeito a minha família, por ser estudante internacional, estamos um pouco acostumados porque sabemos o que é estar longe dos nossos entes queridos,” me fala Alicia Granci, numaContinue reading “Alicia Granci: “Sí, soy argentina””

Gabriel Villalba: a certeza de Golpe de Estado na Bolívia

“O que o mundo precisa saber, é que na Bolívia não vivemos em democracia,” é o que me disse Gabriel Villalba enquanto conversamos em um café num terraço no centro de La Paz. Dali de cima, havia uma tranquilidade que nada se parecia com as ruas que tínhamos acabado de cruzar para chegar àquele destino.Continue reading “Gabriel Villalba: a certeza de Golpe de Estado na Bolívia”