Maysa, Gustavo y Oliver: celebrando una nueva vida en la Navidad

“Creo que por primera vez en mucho tiempo la Navidad tiene más sentido para mí. Sobre todo después de que perdí a mi padre, hubo una sensación de vacío y hoy, con Oliver, tenemos esa sensación de que la familia está completa donde quiera que estemos,” dice Maysa mientras sostiene a su hijo Oliver enContinue reading “Maysa, Gustavo y Oliver: celebrando una nueva vida en la Navidad”

Maysa, Gustavo e Oliver: celebrando uma nova vida no Natal

“Acho que pela primeira vez em muito tempo o natal tá fazendo mais sentido pra mim Principalmente depois que eu perdi o meu pai, ficou aquela sensação de vazio e hoje, com o Oliver, a gente tem esse sentimento de que a familia tá completa aonde quer que a gente esteja,” diz Maysa enquanto seguraContinue reading “Maysa, Gustavo e Oliver: celebrando uma nova vida no Natal”

Yliamne: a esperança das mães venezuelanas por um natal em família

“Vi cada um dos meus filhos sair dos meus braços a cada par de anos e me dei conta, com o passar do tempo, que a ida deles em busca de prosperidade é para mim uma espécie de transição. Um processo de transmutar a desesperança em fé e esperança. Perdi o medo da distância. PertençoContinue reading “Yliamne: a esperança das mães venezuelanas por um natal em família”

Nina: Una reunión en Brasil después de 10 navidades en Australia

“Para mí, la Navidad significa familia. Honestamente, no tengo la Navidad como una fecha súper especial pero es un tiempo para reunir a la familia. Soy de un pueblo súper pequeño, así que todos mis hermanos salieron a estudiar y trabajar y la Navidad era realmente una época de reencuentro. Este es mi recuerdo. MiContinue reading “Nina: Una reunión en Brasil después de 10 navidades en Australia”

Nina: um reencontro no Brasil depois de 10 Natais na Austrália

“Pra mim, Natal significa família. Sinceramente, eu não tenho o Natal como uma data super especial mas é um momento de reunir a família. Eu sou de uma cidade super do interior, então todos os meus irmãos saíram pra estudar e trabalhar e era realmente uma época de reencontro. Essa que era a minha lembrança.Continue reading “Nina: um reencontro no Brasil depois de 10 Natais na Austrália”

100 mil mortes por Covid: os corpos que pulamos no caminho e o nosso futuro que é passado

Cem Mil. 100.000. C E M M I L.  A notícia me chega as 2 da manhã no meio de uma insônia repentina. Me atravessa o peito que já previa a desgraça. E mesmo assim me dói como facada apunhalada pelas costas.  Quando foi que o horror tornou-se rotina? Será que foi naquele momento daContinue reading “100 mil mortes por Covid: os corpos que pulamos no caminho e o nosso futuro que é passado”

Las llamadas que he dejado de hacer a mi mamá

Si antes mencioné las llamadas que he empezado a hacer a mi abuela desde el principio de la cuarentena, hoy quiero hablar de las llamadas que he dejado de hacer a mi mamá – por las llamadas que hace a otros.  Calma, lo explicaré.  Mi madre es doctora. Paliativista. Trabaja en un hospital público enContinue reading “Las llamadas que he dejado de hacer a mi mamá”

As ligações que parei de fazer para a minha mãe

Se antes eu comentei sobre as ligações que comecei a fazer para a minha avó desde o início da quarentena, hoje eu quero contar sobre as ligações que eu tenho deixado de fazer para a minha mãe – por causa das ligações que ela tem feito para os outros.  Calma, eu explico.  A minha mãeContinue reading “As ligações que parei de fazer para a minha mãe”

Venezuela: Um fio de esperança em meio ao caos

Meu tempo na Venezuela foi curto. Cheguei num dia e fui no outro. E sinto que precisava de mais para absorver a atmosfera do país que, sim, está afundando em uma crise. Mas que, em contraposição, tem um povo que não se deixa abalar.  Não consegui parar muito para as longas conversas que gosto deContinue reading “Venezuela: Um fio de esperança em meio ao caos”

Suely: A tristeza que ficou em Córrego do Feijão

“A minha fisionomia até mudou, eu não sorrio mais como aqui”, me diz Suely ao me mostrar a capa de uma revista do SEBRAE de 2014 em que apareceu por conta de seu restaurante no Córrego do Feijão. Hoje, o restaurante Casa Velha está alugado para a Vale e o forno a lenha e oContinue reading “Suely: A tristeza que ficou em Córrego do Feijão”