100 mil mortes por Covid: os corpos que pulamos no caminho e o nosso futuro que é passado

Cem Mil. 100.000. C E M M I L.  A notícia me chega as 2 da manhã no meio de uma insônia repentina. Me atravessa o peito que já previa a desgraça. E mesmo assim me dói como facada apunhalada pelas costas.  Quando foi que o horror tornou-se rotina? Será que foi naquele momento daContinue reading “100 mil mortes por Covid: os corpos que pulamos no caminho e o nosso futuro que é passado”

Suely: A tristeza que ficou em Córrego do Feijão

“A minha fisionomia até mudou, eu não sorrio mais como aqui”, me diz Suely ao me mostrar a capa de uma revista do SEBRAE de 2014 em que apareceu por conta de seu restaurante no Córrego do Feijão. Hoje, o restaurante Casa Velha está alugado para a Vale e o forno a lenha e oContinue reading “Suely: A tristeza que ficou em Córrego do Feijão”