Canarinhos refugiados em Pacaraima project: building Venezuela’s future from Brazil

“If you want to know what a country’s future looks like, look at the children. They’ll give you a good idea,” was one of the first things Miriam Blos said to me when we met at the Casa da Música in 2019. A year later, in the same place, the phrase couldn’t make more sense. Continue reading “Canarinhos refugiados em Pacaraima project: building Venezuela’s future from Brazil”

Canarinhos refugiados em Pacaraima: a construção de um futuro para a Venezuela no Brasil

“Se você quer saber como o futuro de um país se parece, olhe para as crianças. Elas vão te dar uma boa ideia,” foi uma das primeiras coisas que Miriam Blos me disse quando nos conhecemos na Casa da Música em 2019. Um ano depois, no mesmo lugar, a frase não podia fazer mais sentido. Continue reading “Canarinhos refugiados em Pacaraima: a construção de um futuro para a Venezuela no Brasil”

“De Arepa en Budare”: Luísa e a força que ainda resiste na Venezuela

“Jamais, jamais, mesmo com a pior situação que estamos vivendo agora, eu abandono o meu país. Eu sou venezuelana, como dizemos aqui, ‘de arepa en budare’”. É uma das primeiras frases que me diz Luísa enquanto tomamos um café às 6 da manhã, em meio a tranquilidade da Gran Sabana. Talvez não haja expressão melhorContinue reading ““De Arepa en Budare”: Luísa e a força que ainda resiste na Venezuela”

Alba and the Venezuelan resistance in Brazil

“When I left [Venezuela], I said, ‘I will be the resistance in Brazil because I will have a voice and I will tell the world who we are”. One of the pioneers of the first Boa Vista Welcoming Centre, Ms. Alba Marina is certainly a force of resistance in Brazilian lands – and still offersContinue reading “Alba and the Venezuelan resistance in Brazil”

Alba e a resistência Venezuelana no Brasil

“Quando eu saí de lá [da Venezuela], eu falei ‘eu vou ser resistência no Brasil’. Porque eu vou ter uma voz e eu vou dizer pro mundo quem a gente é”. Idealizadora do primeiro Centro de Acolhida de Boa Vista, Alba Marina com certeza resiste em terras Brasileiras – e ainda oferece suporte aos seusContinue reading “Alba e a resistência Venezuelana no Brasil”

Roraima: The Complexities of the Migratory Flow

Dona Raimunda has lived in Boa Vista since 1983 when she moved from Manaus. Like many Manauaras, she “came to visit and never went back”. Her recount is complex and rich described in a way that only Roraimans can deeply identify with. In an informal conversation at the city’s Crafts Center, at first she complainsContinue reading “Roraima: The Complexities of the Migratory Flow”

Roraima: onde as complexidades vão além de um fluxo migratório

Dona Raimunda vive em Boa Vista desde 1983, vinda de Manaus. Como muitos de seus conterrâneos, “veio para conhecer e nunca mais voltou”. O discurso dela é de uma complexidade que só Roraima parece carregar. Numa conversa informal no Centro de Artesanato da cidade, ela reclama para mim de como a população Venezuelana mudou aContinue reading “Roraima: onde as complexidades vão além de um fluxo migratório”

A Mão Amiga do Exército Brasileiro em Pacaraima

O primeiro rosto que os imigrantes encontram ao cruzar a fronteira é o do militar. E isso talvez seja motivo de medo e preocupação em muitos lugares do mundo (inclusive algumas outras partes do Brasil). Não em Pacaraima. Na cidade fronteira entre Brasil e Venezuela os militares tem um propósito: acolher. A “Operação Acolhida” foiContinue reading “A Mão Amiga do Exército Brasileiro em Pacaraima”

The open helping hand: Brazilian Army Mission

The initial encounter the immigrants face when crossing the border is the military. This indeed may be a source of fear and concern including some other parts of Brazil; but not in Pacaraima. In the border city between Brazil and Venezuela, the military extends it’s welcome and helping hand. The Operação Acolhida (Operation Welcome) wasContinue reading “The open helping hand: Brazilian Army Mission”

Miriam e a luta pelo reencantamento dos sonhos

“Leila, faz dois anos que eu não tiro férias. Faz dois anos que eu to no fluxo migratório”, é o que Miriam me confessa enquanto conversamos sentadas na histórica mesa de madeira da Casa da Música. Foi lá que aconteceram grandes decisões sobre o acolhimento de imigrantes em Pacaraima: Primeira reunião da ACNUR (Alto ComissariadoContinue reading “Miriam e a luta pelo reencantamento dos sonhos”